Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral esquerda Vá para o rodapé

News

O Conselho Municipal de Educação (CME) de Seabra

O Conselho Municipal de Educação (CME) de Seabra, propôs nesta quarta-feira (01), a revogação do decreto municipal de n° 31/2020 de 31 de março de 2020 que dispõe sobre a demissão por tempo determinado dos servidores admitidos através do Processo Seletivo- edital 002/2019.
Em compaixão aos contratados neste momento de crise, o documento votado e aprovado pelo conselho, aponta uma série de argumentos cabíveis. Dentre eles aponta que, “nenhum governo tomou tais medidas que vai de encontro a tudo que se estabelece até o momento. ”

A Câmara Municipal de Seabra repudia a demissão dos contratados e se solidariza com os servidores desamparados neste momento de crise em decorrência da pandemia do Coronavírus. Assim como acredita que medidas, menos drásticas e danosas que desligamentos, podem ser tomadas para contenção de gastos.

O Presidente da Câmara Municipal de Seabra

O vereador Marcos Pangola (PSD) reduziu, através do seu projeto de Lei, em 50% o salário dos vereadores e estabeleceu regras para a redução dos subsídios do prefeito, vice-prefeito e secretários do município. A votação foi realizada nesta segunda-feira (30) em uma Sessão Extraordinária, convocada em regime de urgência, onde apenas a vereadora Lilia não votou, que compareceu à reunião mas se retirou do plenário da Casa visivelmente transtornada antes da votação, todos os demais vereadores estiveram presentes e aprovaram o projeto de Lei n° 08/2020 de 19 de março deste ano (2020) de autoria do representante do Legislativo.
O projeto aprovado tem como objetivo o repasse de 50% dos subsídios para a Prefeitura Municipal de Seabra, para que por meio da Secretaria de Ação Social seja realizada a distribuição das cestas básicas à famílias carentes que passam pela crise econômica em decorrência da pandemia do novo Covid-19 (Coronavírus).
“O Poder Legislativo não tem a obrigação legal, mas nós vamos fazer isso. Quem tem a obrigação legal é a Secretaria de Ação Social Municipal que trabalha com aproximadamente 5% dos 104 milhões de reais que a prefeitura disponibiliza no seu orçamento, além de outros departamentos que pode gerar mais economia para ser revertida em favor das famílias afetadas. ” Afirmou o presidente da Casa Marcos Pangola.
Ainda durante a sessão, o projeto de Lei n° 18/2019 de 26 de novembro de 2019 que dispõe sobre a criação do programa Bolsa Família Municipal de autoria do Poder Executivo foi colocado em votação e aprovado na integra por unanimidade.
Encerrando a sessão o presidente da Câmara disse que vai repassar todo o seu salário e complementou: “Já fazia a doação de 50% em cestas básicas, mas a demanda aumentou em decorrência da pandemia.” Marcos Pangola fez um apelo ao poder público e os demais cidadãos que tenham condições de ajudar neste momento para que façam doações. Ressaltou que os devidos cuidados para a realização da sessão em tempo de pandemia foram tomados, a exemplo dos afastamentos das mesas dos edis.

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas em pé e terno

Com avanço do coronavírus, mercado reduz para 1,68% previsão de alta do PIB de 2020

Por Alexandro Martello, G1 — Brasília

Diante do avanço do novo coronavírus, os analistas do mercado financeiro reduziram novamente a estimativa de crescimento da economia brasileira neste ano, que passou de 1,99% para 1,68% de alta. Essa foi a quinta queda consecutiva no indicador.

Ao mesmo tempo, eles também passaram a prever um corte da taxa básica de juros nesta semana, dos atuais 4,25% para 4% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne nesta terça e quarta-feiras (17 e 18). A decisão será anunciada às 18h da próxima quarta.

As projeções fazem parte do boletim de mercado, conhecido como relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (16) pelo Banco Central (BC). Os dados foram levantados na semana passada com mais de 100 instituições financeiras.

A redução na previsão de crescimento da economia, e de corte dos juros nesta semana, acontecem em meio aos efeitos da pandemia do coronavírus na economia mundial.

Neste domingo (15), o Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) promoveu, após reunião emergencial, um corte de 1 ponto percentual nas taxas de juros do país. Agora, a taxa de juros dos Estados Unidos varia de 0% a 0,25%.

A instituição também anunciou a compra de US$ 500 bilhões em títulos do Tesouro e de US$ 200 bilhões em valores hipotecários.

VEJA O HISTÓRICO DAS PREVISÕES DO MERCADO PARA O PIB DE 2020
Fonte: BANCO CENTRAL

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todos os bens e serviços feitos no país, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.

Para o próximo ano, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) permaneceu em 2,50%.

Taxa Selic

  • O mercado financeiro reduziu de 4,25% para 4% ao ano a previsão para a taxa básica de juros, a Selic, fixada pelo Banco Central, para o fim de março – com corte de 0,25 ponto percentual nesta semana.
  • Para o fim do ano, os economistas do mercado financeiro preveem juros menores ainda, em 3,75% ao ano.
  • Para o fechamento de 2021, a expectativa do mercado para a taxa Selic caiu de 5,50% para 5,25% ao ano. Isso quer dizer que os analistas seguem prevendo alta dos juros no ano que vem, mas em menor intensidade.

Inflação

Segundo o relatório divulgado pelo BC, os analistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação para 2020 de 3,20% para 3,10%.

A expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%. O intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,5% a 5,5%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

Para 2021, o mercado financeiro baixou a estimativa de inflação de 3,75% para 3,65%. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%.

Outras estimativas

  • Dólar: a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 subiu de R$ 4,20 para R$ 4,35 por dólar. Para o fechamento de 2021, ficou estável em R$ 4,20 por dólar.
  • Balança comercial: para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2020 recuou de US$ 36,40 bilhões para US$ 36,10 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas continuou em US$ 34 bilhões.
  • Investimento estrangeiro: a previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2020, permaneceu em cerca de US$ 80 bilhões. Para 2021, a estimativa dos analistas recuou de US$ 84,50 bilhões para US$ 83,75 bilhões.